Cinema

Curtas metragens estabelecem linha do tempo de ‘Blader Runner 2049’; assista

A sequência de Blade Runner chega aos cinemas no próximo dia 5 de outubro. Intitulado Blade Runner 2049, o novo filme dirigido por Denis Villeneuve é ambientado (adivinha!) em 2049 e por isso, ao longo desse mês de setembro, a Warner foi divulgando curtas metragens que ajudaram a preencher as lacunas entre o que aconteceu no filme original, ambientado em 2019, e essa nova história protagonizada agora por Ryan Gosling.

Os três curtas-metragens lançados (que você pode assistir abaixo) mostram a queda da Tyrell Corporation e a ascensão da Wallace Corporation, além de apresentar os novos modelos de replicantes após 10 anos de Proibição desde um apagão que provocou grandes distúrbios na cidade de Los Angeles 3 anos após o fim do filme original. Então, sim, os três curtas são importantes e essenciais para compreender a trama que será em contada Blade Runner 2049. Mas, acima de tudo, os três são extremamente bem produzidos e dirigidos.

Em Blade Runner 2049 – Black Out 2022, dirigido pelo cineasta japonês Shinichiro Watanabe (Cowboy Bebo) em formato de Anime, o filme acompanha o apagão que toma conta de Los Angeles em uma rebelião provocada pelos replicantes ainda da Tyrell Company. O ato terrorista deixa toda a cidade sem luz e resulta no banimento dos replicantes assinada por meio de uma lei de Proibição nos mesmos moldes daquela de bebibas alcoólicas. O maior feito de Watanabe nesse curta-metragem foi dar sensibilidade e emoção à história, construindo como a opressão dos humanos sobre os replicantes levaram eles a este ato de terror. Assista:

Os outros dois curtas, dirigidos por Luke Scott (filho do diretor Ridley Scott, responsável pelo primeiro Blade Runner), são menos audaciosos em termos de linguagem mas são responsáveis por apresentar os novos personagens de Jared Leto e Dave Bautista.

Blade Runner 2049 – 2036: Nexus Dawn mostra os novos modelos de replicantes criados pela Wallace Corporation, fundada por Niander Wallace (Jared Leto), que ganhou notoriedade após a lei de Proibição e a falência da Tyrell Corporation. Em uma demonstração para um grupo de executivos (ou seriam políticos?), Wallace convence a sua audaciosa nova visão de replicantes: mais humanos, vivendo por muito mais tempo e controlados (o termo correto é escravizados mesmo) para atender aos comandos dos humanos. Bom, até a gente assistir o novo filme e ver que alguma coisa deu errado, né?

Chama atenção também o Leto, fazendo um personagem que usa a sua cegueira para se apresentar de forma ameaçadora, fria e calculista. Veja abaixo:

Aliás, não vamos precisar esperar Blade Runner 2049 chegar para perceber que algo nesse experimento deu errado. Porque em Blade Runner 2049 – 2048: Nowhere to Run, vemos que os replicantes conseguem mesmo se passarem por humanos como nenhum outro modelo jamais conseguiu, se misturando numa mesma sociedade. Mas Sapper Morton (Dave Bautista) está em uma lista de procurados e seu disfarce é descoberto quando ele sai em defesa de uma mãe e sua filha que estavam sendo atacadas por alguns homens no meio da rua.

O que é também interessante de acompanhar nestes dois curtas-metragens é como a humanidade sempre acaba recorrendo a modelos tradicionais para tentarem se livrar da própria culpa de destruição do mundo, ao passo que usa isso também para oprimir outras regiões em uma missão desesperada para encontrar um novo habitat. Leis e costumes antigos costumam retornar para justamente assombrar e nos avisar do que podemos ser capazes de fazer. Os três curtas-metragens exploram bem esse tema. E isso me deixa entuasismado para ver o quanto Blade Runner 2049 pode se aprofundar nessa discussão. Assista:

A nova linha do tempo

Com o novo filme se passando 30 anos após o original, mesmo período de tempo do desaparecimento de Rick Deckard (Harrison Ford) quando conseguiu deter o replicante Nexus 6 (Rutger Hauer) e fugir com a também replicante Rachel (Sean Young), esses novos curtas apresentam eventos relevantes que criam a linha do tempo do que aconteceu no mundo nesses 30 anos.

Tudo passa, é claro, pela obsessão da humanidade em explorar o espaço. Mas mais do que usar os replicantes para servi-los por meio dos mais variados tipos de trabalhos, a Tyrell Company (líder nesse setor) começou a produzir soldados replicantes para ajudar os seres humanos a chegarem nesses outros planetas e tomarem o território, expulsando dali outros replicantes que haviam conseguido se rebelar – algo que é visto no Blade Runner original, quando quatro da linha Nexus 6 conseguiram sair dessas colônias e chegar até a Terra.

Os curtas também mostram que a Terra continua inóspita e ainda mais esquecida. Isso é o suficiente para a entrada do agente K (Ryan Gosling), que começa a conduzir uma investigação (talvez por conta de tudo que é mostrado em Nowhere to Run) que o leva diretamente ao encontro de Rick Deckard. E é justamente aí que os questionamentos dos fãs e entusiastas do filme, que se transformou em um clássico cult muitos anos após sua exibição, começam. Mesmo porque ninguém sabe o que exatamente Deckard fez durante todo esse tempo e qual deverá ser o papel que ele desempenhará nesse novo conflito.

Ao que tudo indica, a humanidade está caminhando para o completo colapso. Mas nem de longe o caminho a ser seguido deve ser o proposto por Wallace, isto é, de usar os replicantes como escravos e mantê-los vivos, mas sem qualquer papel na sociedade a não ser o de servir. Não, o seu argumento em Nexus Dawn é o que convence os políticos a revogarem o banimento. Uma convivência pacífica é possível, como mostrado no curta Nowhere to Run.

E deve ser essa uma das saídas pelas quais Rick e K irão provavelmente enfrentar e juntar forças. Basta lembrar que Rick foi salvo pelo Nexus 6 ao final de Blade Runner – que poderia muito bem deixá-lo cair e morrer – e fugiu com uma replicante cujo modelo parecia ser ainda mais avançado. Todas essas histórias e outros filmes que criam essa linha do tempo aguçam cada vez mais a curiosidade e expectativa em torno de Blade Runner 2049, que teremos que esperar até o dia 5 de outubro para assistir. Enquanto isso, assista o último trailer:

[Crédito da Imagem de Capa: Reprodução]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *