O Festival de Sundance está chegando ao seu final. Alguns filmes foram aplaudidos (Manchester By the Sea e The Birth of a Nation) enquanto outros teve gente saindo no meio da sessão (Swiss Army Man, estrelado por Daniel Radcliffe). Mas quando Sundance chega ao fim, o que todo mundo quer saber também é quais os filmes que foram comprados e que terão distribuição.

Nesse ano, os players do mercado não foram os usuais como Weinsten Company, Focus Features ou Miramax. A briga acirrada mesmo ficou entre Amazon e Netflix, que abriram os cofres e investiram muito dinheiro. É uma esperança para os cineastas independentes? Só o tempo irá dizer. O serviço em streaming é muito bom para esses filmes por conta do método de distribuição em uma plataforma com milhões de assinantes.

A Amazon, por exemplo, adquiriu logo os direitos do filme Manchester By the Sea por $ 10 milhões. Netflix, por outro lado, correu atrás de Tallulah, estrelado por Ellen Page, e também desembolsou uma boa grana, $ 5 milhões, além de $ 7 milhões pelo drama The Fundamentals of Caring, com Paul Rudd e Selena Gomez.

Como este é apenas o primeiro ano em que Amazon e Netflix entram na briga com as outras distribuidoras na tentativa de fazer um bom negócio, é tudo até muito novo. É possível que o investimento de ambos aumente ainda mais nos próximos anos a depender do retorno que eles obtiverem em 2016.

Por estarem buscando uma diversidade em seu catálogo e também porque possuem uma audiência muito diversa, a estratégia agressiva da Amazon e da Netflix tem explicação e foi ótima para os cineastas independentes, que enfrentam dificuldades de arrecadação de dinheiro para realizarem os seus filmes e, principalmente, para distribuir depois porque não podem competir com os grandes lançamentos do ano. Muitos filmes acabam sendo esquecidos, mesmo que tenham percorrido alguns festivais.

O diretor Spike Lee, já consagrado, teve o seu filme Chi-Raq esnobado pelos grandes estúdios. Quem garantiu mesmo a distribuição foi a Amazon, que comprou os direitos. Esse é um exemplo que continuará se repetindo porque, se antes o filme possivelmente seria deixado de lado e apenas exibido em algumas salas, agora existem outros mecanismos e plataformas que estão dispostas a correr o risco de investir nessas histórias.

Foto: Divulgação/Sundance Institute
“The Birth of a Nation” foi comprado por um valor recorde pela Fox Searchlight | Foto: Divulgação

Fox Searchlight correndo por fora

Amazon e Netflix fizeram bons negócios em Sundance, mas a Fox Searchlight está com os dois olhos abertos – e os cofres também. O estúdio garantiu os direitos do filme The Birth of a Nation, que vem sendo considerado um dos favoritos a vencer o prêmio principal e um dos mais falados na edição desse ano, pelo valor recorde de $ 17 milhões.

No ano passado, a Fox Searchlight já tinha investido uma boa quantia no Festival de Sundance. Para ter a chance de distribuir o excelente Eu, Você e a Garota Que Vai Morrer, o estúdio pagou $ 12 milhões, e mais $ 9 milhões por Brooklyn, filme que está indicado ao Oscar deste ano.

Tudo isso torna as próximas edições do Festival de Sundance ainda mais interessantes de acompanhar essa briga dos estúdios em serem, digamos assim, os responsáveis em lançarem “o próximo grande filme” no circuito. Em relação aos longas-metragens e a todo o resto, Sundance continuará sendo um dos festivais mais legais e importantes.

Crédito da Imagem: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *