Cinema

Os filmes que mais queremos assistir em 2018

Como foram de virada de ano? Preparados para 2017? Eu já esqueci de 2017 e estou pronto para encarar 2018 de uma forma completamente diferente, tentando ser mais paciente e gentil – e continuar vendo muitos filmes, é claro. Essas são as minhas principais resoluções, que tanto se ajustam para o lado pessoal quanto para o profissional. Mas como o Goodfellas é um blog de Cinema e de Séries, e não de auto-ajuda, vamos ao que interessa, certo?

Pensando nos lançamentos de filmes para 2018 (falarei de séries em uma outra postagem ainda nessa semana), fiz uma lista de filmes que quero MUITO assistir nesse ano. Fiz uma divisão em categorias: estreias no circuito de arte, lançamentos de blockbusters, filmes nacionais e longas-metragens que serão exibidos em festivais ao longo do ano e que torço para ganharem distribuição ainda em 2018.  Vamos lá:

Circuito de Arte mais Aguardados

Trama Fantasma

Uma combinação perfeita que simplesmente me faz querer ir pro cinema agora e sempre: Paul Thomas Anderson/Daniel Day-Lewis/Jonny Greenwood. Além disso, é o último filme de Daniel Day-Lewis, o ator que eu mais aprendi a admirar nesses meus anos de cinefilia.

Estreia: 22 de fevereiro

First Man

Damien Chazelle e Ryan Gosling retomam a parceria de La La Land: Cantando Estações em First Man, a cinebiografia de Neil Armstrong, o primeiro homem a pisar na lua. Além de Ryan Gosling, o elenco também tem Claire Foy (The Crown) e Kyle Chandler (Bloodline). A música mais uma vez será composta por Justin Hurwitz e toda a estratégia do filme está sendo pensada para a temporada de premiações. E com esse time todo reunido, é claro que quero muito assistir.

Estreia: 12 de outubro (EUA).

Widows

Cinco anos após vencer o Oscar de Melhor Direção e Melhor Filme com 12 Anos de Escravidão, o diretor Steve McQueen (foto acima) retorna com um longa-metragem que mais uma vez deve mexer com a temporada de premiações no ano. Widows reúne no elenco Viola Davis, Elizabeth Debicki, Michelle Rodriguez e Cynthia Erivo para uma trama escrita por Gillian Flyn (A Garota Exemplar) sobre quatro mulheres que se veem unidas apenas por terem perdido seus maridos (“Viúvas”, como o título já sugere), todos assassinados por estarem devendo dinheiro para a máfia de Chicago.

Estreia: 16 de novembro (EUA).

Aniquilação

O diretor Alex Garland provou com Ex-Machina, sua estreia na direção, que é um dos cineastas dessa nova geração que mais temos que prestar atenção. Em seu segundo filme como diretor, Aniquilação acompanha uma bióloga (Natalie Portman) que se junta a uma expedição secreta formada por outras três mulheres para investigarem uma região conhecida como Área X. Uma misteriosa contaminação está tomando conta do lugar, além de ser aterrorizada por um animal mortal enquanto também procura por seu marido desaparecido (Oscar Isaac), Aniquilação é baseado na obra de Jeff VanderMeer e conta ainda no elenco com Jennifer Jason Leigh, Tessa Thompson e Gina Rodriguez.

Estreia: 22 de fevereiro.

Isle of Dogs

Novo filme do diretor Wes Anderson. Precisa dizer mais alguma coisa? Tá bom. É sobre cachorros e é uma animação. Convencidos? Pois é. Eu também estou. A história acompanha o garoto Atari, de 12 anos, que mora numa cidade governada pelo corrupto prefeito Kobayashi, que aprova uma lei proibindo que cachorros vivam na cidade e sejam enviados a uma ilha vizinha repleta de lixo. É bom preparar para se emocionar.

Estreia: 14 de junho.

Cadê Você, Bernadette?

Estou de olho nesse filme há um tempo desde que as primeiras listas de possíveis selecionados para o Festival de Sundance, que começa agora em janeiro, começaram a ser publicadas. Dirigido por Richard Linklater (Boyhood), o filme tem Cate Blanchett interpretando a arquiteta Bernadette Fox. Ela sofre de agorafobia, medo de lugares públicos e abertos, e resolve desaparecer sem deixar pistas antes de uma viagem familiar para a Antártica. O filme é baseado no livro homônimo escrito por Maria Semple. É uma das promessas do ano.

Estreia: 11 de maio.

Backseat

O ator Christian Bale e o diretor Adam McKay (A Grande Aposta) se juntam novamente para contarem a história de Dick Cheney, vice-presidente dos Estados Unidos durante o governo Bush e cujas ideias a favor de tortura, do combate ao terrorismo e de como a política externa americana foi conduzida praticamente moldaram o mundo como o conhecemos hoje. Além de Bale, Brad Pitt (e sua produtora Plan B) também estão envolvidos no projeto.

Estreia: Em 2018, mas ainda sem previsão.

The Irishman

Eu não consigo explicar direito o quanto eu estou ansioso para esse filme. Não trata-se apenas de assistir nos cinemas um filme dirigido por Martin Scorsese. Isso eu já faço religiosamente em todo filme que ele lança. Trata-se de ver a trupe reunida: Scorsese, Robert De Niro, Joe Pesci e Harvey Keitel (o único que não participou de Os Bons Companheiros) – faltando apenas o Ray Liotta para completar o time, compensada pela presença de Al Pacino em seu primeiro filme trabalhando ao lado de Scorsese. Meu Deus!

Apenas por isso já seria um dos filmes mais aguardados, mas ainda tem mais: será a primeira vez que Martin Scorsese trabalha com a Netflix, ou seja, há rumores pra todo lado e pressão se o filme vai estrear ou não nos cinemas. Se não estrear, é capaz que invadam a Netflix (não estou ameaçando nem nada, não tenho habilidades hacker).

Sobre o filme, The Irishman conta a história de Frank Sheeran (De Niro), um assassino de aluguel contratado pela máfia para matar o líder sindical Jimmy Hoffa (Al Pacino). Além de todos esses nomes de peso que eu já citei, estão também no elenco Anna Paquin, Bobby Cannavale e Jack Huston.

Estreia: Em 2018, mas ainda sem previsão.

Foxtrot

Eu achei que Foxtrot iria estrear no ano passado, dado todo o frissom pelos festivais onde passou. Mas a estreia ficou para 2018 e é um dos filmes que eu mais aguardo também. Dirigido pelo israelense Samuel Maoz (do ótimo e perturbador Lebanon), Foxtrot acompanha um pai em luto pela morte do filho, o levando a circunstâncias absurdas após o trauma que dialogam com toda a cultura de guerra e de conflitos de Israel.

Estreia: Em 2018, mas ainda sem previsão.

You Where Never Really Here

Mais um filme que eu esperava para 2017. A diretora Lynne Ramsay ganhou a palma de Ouro em Cannes por esse filme no ano passado. Sua carreira como cineasta é uma das mais interessantes do circuito, sempre nos trazendo grandes histórias que simplesmente são difíceis de serem tiradas das nossas cabeças. You Where Never Really Here promete ser nesse nível. O filme acompanha um veterano de guerra (Joaquim Phoenix) que ganha a vida resgatando mulheres presas em cativeiros trabalhando como escravas sexuais. Uma missão mal-sucedida acaba colocando a opinião pública contra ele e uma onda de violência se instaura na região de Manhattan.

Estreia: 6 de abril

Os blockbusters mais esperados

As superproduções que merecem destaque e devem chamar atenção da crítica, além do público.

Uma Dobra no Tempo

Um filme com aspectos do clássico De Volta para o Futuro e dirigido por Ava DuVernay. Já quero assistir e estou aguardando bastante o filme. A história é uma adaptação do livro de Madeleine L’Engie, lançado na década de 60, e que acompanha os irmãos Meg e Charles em sua busca para reencontrarem o pai.

Estreia: 29 de março

Solo: Uma História Star Wars

Os spin-offs da franquia Star Wars têm se mostrado eficientes em trazer outras histórias e apresentar novos personagens. Rogue One foi uma surpresa e talvez seja um dos grandes filmes da série. Solo: Uma História Star Wars é cercado de um pouco mais de dúvidas porque o filme sofreu problemas de bastidores, substituição de diretores (Ron Howard assumiu e refilmou basicamente tudo), mas ainda assim estamos falando de um filme baseado em um dos personagens mais clássicos de toda a franquia. É claro que estou aguardando ansiosamente.

Estreia: 24 de maio

Pantera Negra

Já confessei meu cansaço com filmes de super-herói (leia aqui), mas tenho motivos para estar esperando com certa expectativa por Pantera Negra. Uma delas é a direção de Ryan Coogler, que me deixou fascinado quando realizou o filme Creed: Nascido para Lutar. Mas a história também é interessante, sendo ambientado no fictício país africano de Wakanda, o mais tecnológico do mundo e o filme combina o tom político com a ação que muitos querem ver em filmes desse tipo.

Estreia: 15 de fevereiro

Operação Red Sparrow

Eu tenho a minha queda por filmes de espionagem envolvendo agentes secretos, desde aqueles mais blockbusters como James Bond até os mais realistas como O Espião que Sabia Demais. Operação Red Sparrow deve seguir uma linha mais Missão: Impossível ou Jason Bourne (talvez Atômica?), trazendo Jennifer Lawrence como uma bailarina russa que é selecionada para o programa conhecido como Red Sparrow, treinada para espionar inimigos do governo russo. Mas sua identidade fica prestes a ser comprometida em sua missão de espionagem a um agente da CIA, que está prestes a expô-la. Além de Jennifer Lawrence, o elenco tem nomes de peso como Charlotte Rampling, Jeremy Irons e Joel Edgerton. O filme é dirigido por Francis Lawrence, que trabalhou com a atriz na franquia Jogos Vorazes.

Estreia: 1 de março

Jogador Número 1

Eu estou entusiasmado e ao mesmo tempo com receio de Jogador Número 1. Nunca dá pra descartar um filme de Steven Spielberg, ainda mais quando ele volta ao gênero de ficção científica. A aventura se passa em um mundo distópico onde a humanidade prefere a vida do jogo Oasis do que efetivamente o mundo real. O filme é baseado no livro escrito por Ernest Cline. Jogador Número 1 tem atores experientes como Simon Pegg (Chumbo Grosso), Ben Mendelsohn (Rogue One: Uma História Star Wars) e Mark Rylance (Dunkirk e terceira contribuição com Spielberg desde Ponte dos Espiões), mesclando com os jovens Tye Sheridan e Olivia Cooke.

Estreia: 29 de março

O Retorno de Mary Poppins

Mary Poppins é um clássico que, como qualquer apreciador dessa arte chamada cinema, você vai guardando em algum lugar bem especial. Por isso não sei exatamente o que esperar de O Retorno de Mary Poppins. Emily Blunt assume o papel de Julie Andrews, o filme é uma sequência ao original. Mary Poppins agora retorna para ajudar a próxima geração da família Banks. Sua alegria e magia irão ajudar a superar uma perda pessoal da família. Quem também está no filme é o ator Lin-Manuel Miranda, como Jack.

Estreia: 25 de dezembro

Cloverfield: A Partícula de Deus

Sabe aquela surpresa boa que foi Rua Cloverfield, 10? Então, o que começou como apenas um filme de terror/suspense/monstro em Cloverfield, agora ganha contornos de franquia. O terceiro volume, intitulado Cloverfield: A Partícula de Deus, vai conectar de alguma forma as histórias dos dois filmes anteriores. Como? Difícil de imaginar. Ainda mais com uma sinopse de que dão conta do desaparecimento da Terra, descoberto por uma estação espacial americana após um acidente com o acelerador de partículas. Mas só de parecer intrigante já me faz ter vontade de assistir.

Estreia: 1º de fevereiro

Deadpool 2

O primeiro filme me convenceu de que o segundo merece a minha ansiedade. Torço para ser tão divertido quanto foi o primeiro. E todos os vídeos virais que tem sido divulgados até aqui têm tratado de manter essa expectativa alta porque o tom parece não ter mudado. Pelo contrário: é bem possível que eles tenham ido ainda mais longe. Com brigas também nos bastidores, o diretor de John Wick, David Leitch, assume a cadeira deixada por Tim Miller. Acho que as sequências de ação podem ser melhores, viu?

Estreia: 31 de maio

Oito Mulheres e Um Segredo

Eu não sou muito fã da franquia Onze Homens e Um Segredo. Sempre achei superestimada. O diretor Steven Soderbergh, que gosto de muitos filmes assinados por ele (Contágio, Erin Brokovich), repetiu a fórmula em Logan Lucky: Roubo em Família e mais uma vez não me convenceu. Mas espero que Oito Mulheres e Um Segredo traga um frescor à franquia. Além do ponto de vista diferente, agora focado em Debbie Ocean (Sandra Bullock), irmã de Danny Ocean (George Clooney) e que está formando a sua trupe para um roubo histórico, espero um filme mais divertido e um pouco diferente daquilo que vi nos anteriores.

Estreia: 7 de junho

Os Incríveis 2

Eu simplesmente amei Os Incríveis quando assisti pela primeira vez. Tinha todas as qualidades que a Pixar estava desenvolvendo e que o público pouco a pouco estava descobrindo. Lembro de muitas frases do tipo “uma animação para adultos”, mas acho que é uma animação para todas as idades. São quatorze anos após o lançamento daquele original (se sentiu velho?) e todo o elenco original está de volta, inclusive o diretor e roteirista Brad Bird. As sequências na Pixar já mostrarem bons resultados (Toy Story) e outros desastrosos (Procurando Dory, Carros). Tomara que Os Incríveis 2 seja um fenômeno mais para o lado de Toy Story, né?! É o que espero.

Estreia: 28 de junho

Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindewald

O primeiro filme foi divertido e me surpreendeu positivamente. É admirável o universo que a escritora e também roteirista J.K Rowling está estabelecendo com esses filmes que antecedem a história de Harry Potter. Tem os retornos dos personagens que vimos no primeiro filme, mas agora também tem as aparições de Jude Law (Dumbledore) e do próprio Grindewald (Johnny Depp) – sendo que este último só apareceu nos minutos finais do filme anterior.

Estreia: 15 de novembro

A Garota na Teia da Aranha

Estou curioso para saber como vai ser esse filme, uma tentativa clara de retomar a franquia após sete anos e muitas indefinições – leia-se: esvaziamento total, já que David Fincher, Daniel Craig e Rooney Mara abandonaram o projeto. Agora quem dirige é Fede Alvarez e Claire Foy assume o papel de Lisbeth Salander (Blomkvist ainda não tem um ator definido). A história é a adaptação do quarto volume da série Millenium, o único que não foi escrito por seu idealizador, Stieg Larsson.

Estreia: 19 de outubro.

Filmes nacionais que merecem atenção

Uma lista de filmes que passaram com sucesso em festivais aqui no Brasil e também no exterior.

Arábia

Grande vencedor da edição 2017 do Festival de Brasília, Arábia acompanha o morador da Vila Operária em Ouro Preto que encontra, numa fábrica local de alumínio, um diário que narra a vida de um dos antigos funcionários da empresa.

Estreia: 5 de abril.

Aos Teus Olhos

Exibido no Festival do Rio e cercado de polêmica, Aos Teus Olhos tem uma sinopse interessante (e que promete causar mesmo). Daniel de Oliveira é quem narra o linchamento virtual de um carismático professor de natação, iniciado após um dos seus alunos afirmar que foi beijado por ele no vestiário. Aos Teus Olhos foi premiado nos festivais Mix Brasil e do Rio.

Estreia: 12 de abril

As Boas Maneiras

Li muito crítico que já vu o filme em festival comentando que As Boas Maneiras deve ser o melhor lançamento nacional de 2018 – e um dos concorrentes a ser escolhido para representar o Brasil no Oscar. Também tem muita gente falando da atuação de Marjorie Estiano, então é bom ficarmos atentos a esse filme.

Ganhador do principal prêmio do Festival do Rio, As Boas Maneiras é dirigido pela dupla Juliana Rojas e Marco Dutra e acompanha acontecimentos estranhos ao cair da noite em São Paulo seguindo uma enfermeira solitária e uma outra mulher cuja gravidez não é nada comum.

Estreia: 19 de abril

Marighella

Estreia na direção do ator Wagner Moura e um projeto que ele vem confidenciando em muitas entrevistas ser o sonho da sua carreira. Ele vai contar a história de Carlos Marighella, considerado o inimigo número um da ditadura militar. Seu Jorge interpreta o papel principal, que conta ainda com Adriana Esteves e Bruno Gagliasso.

Estreia: 20 de setembro

Benzinho

Escolhido para ser exibido no Festival de Sundance desse ano, Benzinho acompanha Irene (Karine Teles) e o marido Klaus (Otávio Muller) e seus quatro filhos nos arredores do Rio de Janeiro. Em crise no trabalho e com a irmã (Adriana Esteves), ela vai tentar se desdobrar para dar conta de tudo.

Estreia: Em 2018, mas ainda sem previsão

O Beijo no Afaslto

Baseada na peça homônima escrita por Nelson Rodrigues, e marcando a estreia na direção do ator Murilo Benício, Beijo no Asfalto acompanha Arandir, um bancário recém-casado que testemunha um atropelamento. Ele tenta socorrer a vítima, que já sem vida pede um último desejo: um beijo. Arandir atende, mas seu ato é flagrado pelo sogro e fotografado por um repórter policial sensacionalista.

No elenco estão Lázaro Ramos, Débora Falabella e Otávio Muller.

Estreia: Em 2018, mas ainda sem previsão.

Café com Canela

Premiado em três categorias no Festival de Brasília de 2017, o filme Café com Canela traz a estreia na direção dos cineastas Ary Rosa e Glenda Nicácio, que dividem a direção. O filme é um passeio pelas vivências culturais do Recôncavo Baiano e narra o reencontro entre Margarida (Valdineia Soriano, atriz do Bando de Teatro do Olodum e escolhida Melhor Atriz no Festival de Brasília) e Violeta (Aline Brune), duas mulheres negras que têm suas vidas marcadas pelo luto.

Estreia: Em 2018, mas sem previsão.

Era Uma Vez Brasília

Confesso que Era Uma Vez Brasília é um dos filmes nacionais que mais quero assistir. Já li de tudo, principalmente artigos sobre sua linguagem cinematográfica de fantasia com referências a games e desenhos animados, e que me deixaram bastante intrigados por eu não conseguir imaginar exatamente como é o filme.

Ambientado em 1959, o cineasta Adirley Queirós acompanha o agente intergaláctico WA4, preso por fazer um loteamento ilegal e por isso lançado no espaço. Mas ele recebe uma missão: voltar para a Terra e matar o presidente da República, então Juscelino Kubitschek, no dia da inauguração de Brasília. No entanto, sua nave perde-se no tempo e aterrisa em 2016, na Ceilândia. Interessante, não?

Estreia: Em 2018, mas ainda sem previsão.

A Repartição do Tempo

É sempre bom ver o cinema nacional apostando em outros gêneros. E um que tem crescido por aqui é o de ficção científica. E um que promete bastante no ano é A Repartição do Tempo, exibido no Festival de Brasília em 2016 e que conta a história de um homem que cria uma máquina do tempo e decide registrá-la no departamento de invenções, só para vê-la ser acionada acidentalmente por um funcionário.

Estreia: 25 de janeiro.

Paraíso Perdido

Erasmo Carlos agora quer um filme para, digamos assim, ser chamado de seu. E eu quero ver. Dirigido por Monique Gardenberg (Ó Paí, Ó e Benjamin), Paraíso Perdido explora o tempo das músicas românticas e das boates bregas. Erasmo Carlos interpreta José, patriarca de uma família marcada por perdas e ressentimentos. José tenta manter seus filhos unidos, mas a tarefa não vai ser nada fácil.

O filme conta também com Seu Jorge e Júlio Andrade no elenco.

Estreia: 27 de abril

Como é Cruel Viver Assim

O novo trabalho de Júlia Rezende pode ser surpreendente ou um completo desastre, mas com essa sinopse é impossível não se sentir intrigado: um casal, sem muito o que perder, decide praticar um sequestro. O problema é que a falta de experiência deles com o crime farão com que eles precisem de ajuda de um profissional. Parece alguma trama de humor negro saída diretamente das cabeças dos irmãos Coen, né?!

Estreia: 15 de março.

Filmes de Festivais e que devem estrear em 2018

A lista inclui filmes de diretores renomados e admirados que deverão ser exibidos no calendário de festivais e, assim, provavelmente chegarão aos cinemas em 2018.

Domino

Não é todo ano que temos um filme dirigido pelo Brian De Palma, então quando ele lança é bom ao menos manter as antenas ligadas. A história acompanha em Copenhagen um policial (Nicolaj Coster-Waldau, o Jaime Lannister de Game of Thrones) que busca vingança contra o assassino de seu parceiro, o qual estava investigando uma célula ISIS na cidade. A expectativa é de que o filme seja exibido no Festival de Veneza e ainda tenha alguma chance de estrear em 2018.

Loro

A cinebiografia mais do que esperada sobre o ex-presidente italiano, e magnata das comunicações, Silvio Berlusconi, dirigida por ninguém menos do que Paolo Sorrentino (A Grande Beleza). Também marca a retomada da parceria de Sorrentino com o ator Toni Servillo, com quem o diretor já fez vários filmes (os melhores Il Divo e A Grande Beleza). É possível que Loro seja escolhido para ser exibido em Cannes nesse ano, mas tudo vai depender se o filme estará pronto até lá.

Roma

Alfonso Cuáron promete voltar em 2018, sim senhor. Roma, um sonho antigo o qual ele vem perseguindo desde que finalizou Gravidade, finalmente está ganhando forma e deve estrear no festival de Cannes. A história acompanha uma família mexicana de classe média durante os anos 70. O elenco é formado por Marina de Tavira, Daniela Demesa, Marco Graf e Yalitza Aparicio.

Kursk

Um filme dirigido por Thomas Vinterberg (A Caçada) e por isso é sempre bom ficar de olho. O filme conta a história verídica do submarino Kursk, pertencente à Marinha Russa e que afundou em 2000 com 118 homens. O ator Peter Simonischek, que esteve no sucesso de crítica Toni Erdmann no último ano, é um dos nomes do elenco. O filme deve ser exibido no Festival de Berlim ou em Cannes e esperamos que seja distribuído ainda nesse ano.

The Front Runner

Já faz quatro anos que a gente não ouve muito falar no nome do diretor Jason Reitman (Juno), ocupado com a série Casual (exibida no Hulu, recomendo!), que vem sendo bem elogiada pela crítica. Mas agora em 2018 ele retorna com dois filmes: Tully, que já garantiu uma data de estreia e revive a parceria com a roteirista Diablo Cody, e The Front Runner, que deverá ser exibido em Toronto ou em Telluride esse ano para tentar aproveitar as premiações.

O filme acompanha a campanha presidencial do candidato democrata Gary Hart (Hugh Jackman), implodida por um escândalo sexual de um relacionamento extraconjugal. Além de Hugh Jackman, Vera Farmiga e Kaitlyn Dever também estão no elenco.

Don’t Worry, He Won’t Get Far On Foot

Comentei sobre esse filme na minha lista de selecionados para o festival de Sundance (leia aqui). Don’t Worry, He Won’t Get Far On Foot é dirigido por Gus Van Sant (Milk: A Voz da Igualdade, Elefante) e acompanha John Callahan, um aclamado cartunista que se tornou reconhecido por seu sarcasmo ao lidar com o fato de ter ficado quadriplégico aos 21 anos. No elenco, estão Joaquin Phoenix, Rooney Mara, Jonah Hill e Jack Black e prometem atrair o público. A gente espera que em Sundance alguma distribuidora compre os direitos do filme e marque a estreia para ainda neste ano.

Wildlife

Mais um filme da minha lista de Sundance (já clicaram e viram?), Wildlife marca a estreia de Paul Dano como diretor. Pouco se sabe sobre a história, apenas que acompanha um drama familiar sob a perspectiva de uma adolescente que vê a sua família se separar. Jake Gylenhaal e Carey Mulligan são os principais nomes do elenco. O filme vai ser exibido em Sundance e, provavelmente, deve encontrar uma distribuidora por lá. Existe muita expectativa por esse filme – e a gente gosta demais do Paul Dano.

E-Book

Olivier Assayas me deixou maravilhado com Personal Shopper (esteve entre os melhores do ano) em 2017, e já estou ansioso por seu novo filme, E-Book, uma comédia ambientada no mundo do mercado editorial. O elenco também é dos melhores: Juliette Binoche, Guillaume Canet, Vincent Macaigne, Christa Theret e Pascal Gregory. O filme tem tudo para estrear no festival de Veneza – ou antes, vamos acompanhar.

Zama

Um dos filmes mais aguardados há muitos anos dirigido pela cineasta argentina Lucrecia Martel, que finalizou o longa-metragem e já andou exibindo em alguns festivais no final de 2017. Mas parece que o ano de Zama será mesmo em 2018. A obra, um épico adaptado do livro escrito por Argentine Antonio di Benedetto e publicado em 1956, acompanha a história de Don Diego de Zama (Daniel Gimenez Cacho), um oficial da Coroa Espanhola que deseja partir para Buenos Aires. Junta-se a um grupo de soldados à caça de um perigoso bandido e explora terras distantes habitadas por índios selvagens.

No Brasil, o filme já garantiu a distribuição pela Vitrine Filmes e torço para que a estreia ocorra ainda nesse primeiro semestre. O mundo precisa assistir a um filme da Lucrecia Martel, sempre.

The House That Jack Built

Enquanto ficamos consternados com as alegações de mulheres acusando o diretor Lars Von Trier de assédio sexual, o cineasta dinamarquês está finalizando o seu último filme e deseja estrear em Cannes – apesar de ele ter sido expulso do festival na última vez e declarado persona non grata.

Coloco esse filme aqui mais pelo elenco: Matt Dillon, Uma Thurman, Riley Keogh e Sofrie Gråbøl fizeram o filme, que acompanha um serial killer desenvolvendo a sua vontade de matar. The House That Jack Built deve ser lançado em 2018, resta saber qual festival vai selecionar o filme do diretor.

Black Klansman

Novo filme dirigido por Spike Lee, Black Klansman acompanha a história de Ron Stallworth, um detetive que se infiltrou na célula local do Ku Klux Klan de Colorado Springs. John David Washington, Adam Driver, Corey Hawkins e Topher Grace estão escalados para o filme, o qual deve estrear no festival de Toronto ou Telluride.

Suspiria

Como estou aguardando esse filme…! O original dirigido por Dario Argento foi um dos filmes que mais me aterrorizaram, de verdade. E esse remake, dirigido agora por Luca Guadagnino (Me Chame pelo Seu Nome), tem tudo para aproveitar as ideias boas de Argento enquanto Guadagnino dá um pouco da sua visão para a história. É o que eu espero, ao menos.

A história é simples: uma dançarina entra em uma prestigiada escola europeia, mas precisa lidar com coisas sinistras e horripilantes que acontecem no lugar. A trilha sonora, tão característica no filme de Argento, dessa vez será composta por Thom Yorke (Radiohead), sendo esse o seu primeiro trabalho como compositor de uma trilha original para o cinema. É possível que o filme seja exibido em Berlim. Dedos cruzados.

If Beale Street Could Talk

Após o sucesso e a estatueta com Moonlight: Sob a Luz do Luar, o diretor Barry Jenkins deve estrear seu novo filme em 2018. If Beale Street Could Talk acompanha uma mulher, grávida, vivendo no Harlem e tentando provar a inocência do pai do seu filho que ainda está para nascer de um crime que ele supostamente cometeu. Kiki Layne, Stephan James, Teyonah Parris, Regina King e Diego Luna formam o elenco.

Assim como Moonlight, o mais provável é que o filme seja selecionado para o Festival de Toronto – ou mesmo Telluride, onde Barry Jenkins por muito tempo fez parte do júri. Torcendo desde já.

Gostaram da lista? O que vocês mais querem assistir nesse ano? Deixa aí nos comentários!

Não deixe de conferir também a lista das séries que mais queremos assistir em 2018! Clique aqui.

Um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *