O que ficou do Oscar 2019

Foi uma premiação surpreendentemente boa. E sem apresentador. Teve muitas surpresas, boas e ruins. E controvérsias, claro. Afinal de contas, estamos falando do Oscar. O que seria dessa premiação se não fosse por escolhas controversas e decisões estranhas? Mas esses fatos foram compensados com discursos emocionantes, vitórias marcantes e uma apresentação histórica. Veja abaixo os dez momentos que serão lembrados do Oscar 2019:

Continue readingO que ficou do Oscar 2019

‘Projeto Flórida’ retrata desigualdade através do olhar infantil

Ouço reverberando de vez em quando uma frase que ouvi em um curso que fiz sobre o fato de nos tornarmos pessoas sérias demais quando ficamos adultos. “Não perca a criança que existe (ou uma vez existiu) dentro de você”, é o que eu ouço. No centro e no coração da sua narrativa, essa é a mensagem de Projeto Flórida, filme dirigido por Sean Baker (do ótimo Tangerine). Ambientado em um projeto habitacional, a história é contada através do olhar de Moonee (a adorável Brooklynn Kimberly Prince) e acompanha seu cotidiano e de outras crianças morando tão próximas de um paraíso: a Disneilândia.

Projeto Flórida nos leva ao parque de diversões de Moonee. A utopia do lugar encantado da Disney ganha o mesmo tipo de tratamento nos nomes dos projetos habitacionais, que vão desde ‘Magic Castle’ a ‘FutureLand’. Moonee transita entre esses dois lugares, vista de longe por sua mãe Halley (Bria Vinaite), que ganha a vida como pode fazendo bicos, e o síndico Bobby (Willem Defoe), que cotidianamente precisa correr atrás das crianças e lidar com as bagunças que elas aprontam.

Continue reading‘Projeto Flórida’ retrata desigualdade através do olhar infantil

Oscar 2018: as resenhas dos indicados a Melhor Filme

Esse Oscar 2018 me lembra bastante a cerimônia de 2007, pela competição em si e por todos os filmes terem alguma chance – mesmo que remotas, considerando todas as premiações que já antecederam o Oscar. Não foi uma temporada que acompanhei com a mesma atenção de outros anos, mas consegui assistir todos os filmes (ainda estou devendo os curtas de documentário e animação, mas até domingo eu assisto).

Nesse artigo especial, reúno todas as resenhas dos nove filmes indicados na categoria principal da cerimônia, que acontece no dia 04 de março (domingo) e será mais uma vez apresentada por Jimmy Kimmel e transmitida pelo canal TNT aqui no Brasil. Aproveite que finalmente chegamos na semana do Oscar para conferir o que penso sobre cada filme.  Dê uma olhada:

Continue readingOscar 2018: as resenhas dos indicados a Melhor Filme

‘Trama Fantasma’ tem história imprevisível e cheia de estilo

O mesmo mistério que permeou o lançamento de Trama Fantasma até praticamente a sua estreia também é o que norteia a narrativa do novo filme de Paul Thomas Anderson, o oitavo da sua carreira e o primeiro ambientado inteiramente na Inglaterra. Escrito pelo próprio diretor, o filme é imprevisível ao construir com esmero afinco as personalidades dos seus personagens. Trama Fantasma acompanha Reynolds Woodcock (Daniel Day-Lewis, em provável última atuação) e sua obsessão e genialidade em desenhar vestidos que são usados pela alta classe britânica e a realeza europeia.

Mas logo nos primeiros quadros de Trama Fantasma, Paul Thomas Anderson faz questão de mostrar que o ambiente onde a narrativa se desenvolve, a Casa de Woodcock, é rodeado por estranhezas e manias que têm um único objetivo: respeitar o processo criativo de Reynolds. Quando ele é confrontado logo no café da manhã por uma de suas modelos, fica nítido o quanto Reynolds é um homem de difícil convivência, capaz de ser entendido (ou compreendido) apenas por sua irmã, Cyril (Lesley Manville). Ao tirar o final de semana de folga e partir para o campo, ele conhece a misteriosa Alma (Vicky Krieps), uma simples garçonete e por quem Reynolds imediatamente se interessa.

Continue reading‘Trama Fantasma’ tem história imprevisível e cheia de estilo