Séries

‘The Assassination of Gianni Versace’ recria crime sob outros ângulos

A nova temporada de American Crime Story estreou há alguns dias, mas ainda estou processando o primeiro episódio que assisti. Após a primeira temporada recriar muito bem o julgamento do século de O.J. Simpson, o tema central agora é o assassinato do estilista italiano Gianni Versace, na escadaria da casa onde estava hospedado em Miami e cometido por Andrew Cunanan.

Quando eu disse que ainda estou processando, é porque o primeiro episódio oferece muita coisa para ser pensada que acaba balanceando entre momentos realmente muito bons e outros com pouco significado. Pelos primeiros minutos da série, e como de fato torna-se notável com o passar do capítulo, Andrew Cunanan (Darren Criss) era um serial killer profissional, com um modus operandi e obsessivo quanto à sua perseguição às celebridades. E a sua vítima tinha sido escolhida: Gianni Versace (Edgar Ramirez).

No entanto, The Assassination of Gianni Versace coloca Andrew no centro da trama, ao mesmo tempo que retrata a vida de uma celebridade (até com algumas pinceladas de crítica, fiquei com essa impressão), ao passo que particularmente fiquei mais interessado pelos conflitos que começam a tomar forma com a chegada de Donatella Versace (Penélope Cruz), irmã do estilista, que começa dispensando os detetives já que seu receio de tornar a vida familiar dos Versace um livro-aberto para ser investigado é claramente uma preocupação, e depois ela retira também a opção de listar a empresa na Bolsa de Valores justamente com medo de perder o controle da marca.

Então, apesar do interesse da série em estabelecer um perfil de Andrew nesse primeiro episódio, não consegui me convencer pela postura serial killer de Darren Criss em praticamente cada cena que aparece. Por outro lado, The Assassination of Gianni Versace faz um bom trabalho ao colocar em evidência o culto à fama e às celebridades. Isso fica logo representado em uma das primeiras cenas, quando um fã pede um autógrafo a Versace, que dispensa, e nas sequências seguintes ao crime quando todos os populares tentam tirar qualquer proveito do que aconteceu, seja vendendo uma foto ensaguentada ou outro que diz ter a última foto de Versace.

Apesar de não haver um enigma de um assassinato a ser revelado, ou mesmo uma atmosfera procedural sendo ambientada em uma disputa de argumentos num tribunal, The Assassination of Gianni Versace tem muito o que oferecer e consegue aguçar a nossa curiosidade em acompanhar a série. É muito difícil tirar qualquer conclusão por apenas um episódio assistido, mas fica claro que a temporada será permeada pelo contraste do modo de vida luxuoso de Versace e a obsessão e fascínio do seu algoz, Andrew Cunanan.

Assista o trailer:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *