Tom Hiddleston canta música de Hank Williams em programa de TV nos EUA

O ator britânico Tom Hiddleston (The Night Manager, Os Vingadores, A Colina Escarlate) participou nessa semana do The Late Show With Stephen Colbert para promover o seu mais novo filme, a cinebiografia do cantor americano Hank Williams. Na ocasião ele interpretou ao final a música “I Saw The Light”, que também serve de título para o longa-metragem (assista o trailer aqui) que estreou no dia 25 de março nos Estados Unidos e ainda não tem previsão de quando irá vir para o Brasil. Assista abaixo:

Além de fazer esse dueto com Stephen Colbert, Tom Hiddleston também falou sobre a sua experiência ao interpretar o cantor, que é considerado o maior nome da música country norte-americana. Muita coisa desse movimento começou por causa de Hank Williams, que também foi o primeiro a dar créditos abertamente para “alguém de cor” (ele sempre fazia questão de dizer que Rufus Payne, negro e também nascido no estado de Alabama assim como Williams, foi o seu grande professor de violão).

Segundo Hiddleston, o momento mais importante da sua experiência foi quando ele conheceu o disco Hank Williams as Luke the Drifter, um pseudônimo que o artista usou na época para gravar poesias que ele escrevia. Naquele tempo, ainda de acordo com pesquisas feitas por Hiddleston e que ele conta durante a entrevista, somente os fãs realmente conheciam esse disco e que escutá-lo representou um achado importante em sua jornada de descobrir a personalidade de Hank Williams.

“Ele gravou esse disco já em seus últimos momentos de vida, aos 29 anos. Eram basicamente meditações sobre vida após a morte, sobre solidão, tristeza. Há um poema que se chama “Funeral” e outro “Beyond the Sunset” e os dois representam bem alguns demônios que convivam com ele mesmo e pelos quais eu tenho muita compaixão porque ele se tornou uma estrela muito rapidamente e não teve nenhum tipo de suporte. Acredito que esses poemas foram uma forma dele colocar para fora esses sentimentos porque havia uma tensão muito grande entre o carisma que ele tinha no palco, e as pessoas atestaram isso e amaram ele por causa disso – além da sua música. Mas ele era uma pessoa muito vulnerável por dentro e por isso tenho muita compaixão por ele”, explica o ator.

Inclusive, em uma das passagens do trailer de I Saw The Light, o Hank Williams interpretado por Tom Hiddleston diz justamente que “todo mundo tem algum lado sombrio dentro de sim, nem que seja pouco”. Talvez em uma clara referência a essas vulnerabilidades que o ator menciona ao se aprofundar na carreira de Williams e nas canções que ele lançou. Tomara que o filme não demore muito para chegar aqui no Brasil, não é mesmo?

Crédito da Imagem: Reprodução

Vinícius Silva
Sou formado em Jornalismo e mestre em Gerenciamento de Negócios Internacionais. O vício em Filmes, Séries e nas Artes em geral me levaram à escrita.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *